PRESS CREW: PRESS PASS ROCK

Você talvez (ainda) não conheça nenhum desses rostos e nomes que entrevistaremos a seguir, mas, com certeza, tem familiaridade, adora e/ou consome algumas das marcas que esse dream team assesora

À frente de uma das maiores agências de assessoria de comunicação do país, Christine Caterina é case de sucesso não só no concorridíssimo mercado nacional como no quesito network. Entre uma brechinha e oura da agenda abarrotada de compromissos dessa tropa, a inVoga se infiltrou e foi descobrir, na fonte, o segredo de sucesso de quem trabalha pelo sucesso dos clientes. Confira!

A Press Pass está fazendo dez anos de mercado e, neste cenário, me ocorrem duas perguntas. Como você chegou até o mercado de assessoria? E quais as mudanças que você percebe que ocorreram de lá até aqui?

Esse ano a agência faz dez anos e, na verdade, nunca pensei que seria assessora de imprensa. Antes da Press Pass, trabalhava como marketing de uma indústria têxtil, e foi aí que começou meu primeiro contato com a moda, porque essa empresa patrocinava o Morumbi Fashion, que foi o embrião do São Paulo Fashion Week. Nesse período eu conheci o Paulo Borges e comecei a fazer a assessoria internacional do SPFW, que fiz por dez anos. Quando comecei, as assessorias contavam uma história por meio de um veículo, nós tínhamos basicamente esse meio para apresentar as marcas, você fazia um planejamento de divulgação, esperávamos as publicações serem lançadas. Hoje, conseguimos falar diretamente com o público final através dos canais das próprias marcas.

E como fica, nesse contexto e sob a sua ótica, o papel dos meios de comunicação? Como foi essa mudança dentro da Press Pass?

Hoje a notícia está em todo lugar, e acredito que o papel dos meios de comunicação é fazer uma curadoria de toda essa informação e dar a sua versão dos fatos. A moda assimilou muito bem essas mudanças e logo surgiram blogs de moda, as blogueiras e, atualmente, os influenciadores. As assessorias também tiveram que caminhar nesse sentido, porque, se antes éramos apenas disseminadores da informação, agora somos geradores de conteúdo e também temos que ter nosso posicionamento como marcas. A Press Pass hoje é mais um híbrido entre uma assessoria de imprensa e uma agência de publicidade, mas essa mudança foi muito rápida, e nós demoramos a entender qual seria o nosso campo de atuação neste novo contexto. Alguns clientes ainda não absorveram esse momento e acreditam no formato tradicional, mas procuramos fazer um trabalho direcionado a cada veículo que vamos falar.

“(…) SE ANTES ÉRAMOS APENAS DISSEMINADORES DA INFORMAÇÃO, AGORA SOMOS GERADORES DE CONTEÚDO.”

Você acredita que os clientes contratam uma assessoria específica por compactuar com as ideias e o lifestyle dela? Existe isso?

Acredito que de certa forma sim, porque tem que ter uma empatia. Eu sempre falo para a minha equipe que se o cliente estiver com preguiça de ir a uma reunião com a assessoria está tudo errado. Tem que ser um prazer, porque nós acabamos sendo o porta-voz de uma marca para o mundo, então precisa haver uma admiração mútua, um olho no olho, para que o trabalho flua, e as ideias casem.

Além do foco na moda, vocês atendem marcas de bebidas e até bandas, já que a música parece ser sua grande paixão. Como se constrói essa pluralidade entre as duas áreas: moda e música?

É um desafio! Eu amo música, e ela sempre esteve presente na minha vida. Também amo os estilistas que fazem a conexão entre as duas, por isso minha admiração pela Vivienne Westwood – a quem tive o prazer de conhecer por intermédia da Melissa, nossa cliente. Trabalhamos com a Adidas, que também tem uma ligação muito forte com a música. Já no caso da Cachorro Grande foi bacana porque começamos com eles do zero e a banda possui uma referência de moda dos anos 60, londrina, movimento mod, então dá pra linkar. Agora estamos com o Otto, que é um cara que tem uma estética e uma maneira de se vestir e se comportar muito própria. Então vejo moda e música como complementares.

Como você avalia a moda no Nordeste e qual a importância da região para o mercado?

O Nordeste é uma fonte de inspiração para o Brasil em várias frentes: na arte, na moda, na literatura, na música. Nós chegamos a fazer uma edição do Dragão Fashion há uns 10 anos e, nessa época, já fiquei muito impressionada com a qualidade dos trabalhos e os talentos que conheci. Tenho uma conexão boa especialmente com Fortaleza, e atendemos a Cholet como cliente, que é uma marca cearense muito forte. Acredito que marcas globais estão cada vez mais se regionalizando para comunicar em cada lugar e não ser algo pasteurizado.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.